1/14

Convento de Sto. António

LOCAL:

Rua do Convento, Penela

CLIENTE:

privado

PROGRAMA:

Reconstrução, tipologia religiosa, franciscana

CONSTRUÇÃO:

séc. XVI e XVIII

RE-CONSTRUÇÃO:

desde 1996

DESCRIÇÃO:

Quando o comprimento entre o passado e o presente é comprimido num momento, o resultado é um espaço uno onde o tempo e história do lugar são oferecidos ao espectador e este percebe a sua relação com o passado. Essa dádiva é cultural e de construção de identidade.


O objectivo desta reconstrução e conservação é revelar a memória das ideias, formas, materiais, texturas, geometria e impressão, apresentando-as, em contraste, com o mundo actual.


O conceito de conservação esteve intimamente ligado à combinação de ciência, arte, ofício e tecnologia como ferramentas para a preservação, sem se dissociar do âmbito e da preservação do ambiente histórico. O planeamento da reconstrução revela-se uma mais-valia patrimonial, baseado na ideia de que cada época tem um espírito e sabedoria intrínseca.


Em 2013, data em que completou a segunda década de reconstrução, o Convento de Santo António de Penela aproveitou essa oportunidade para se re-apresentar como sendo um processo fiel e único de reconstrução e preservação em Portugal.


Constituiu preocupação dominante em todas as intervenções, a pesquisa, procura, aquisição e a aplicação de materiais dos séculos XVIII e XIX, nomeadamente: portas, janelas, vigas, caibros, tabuado, portões, balaustradas, gradeamentos, ferragens, pregaria, pilares, cantarias, frades, lajedo de pedra, tijoleiras e outros, sobrantes de obras em imóveis da baixa pombalina, Coliseu dos Recreios, Museu Nacional de Arte Antiga, Câmara Municipal de Lisboa, Igrejas, antiquários e particulares, obrigando por vezes ao emprego de tecnologias de outrora, devolvendo ao Bem, o tempo, a substância e o rosto há muito arrancados e perdidos.


Desta forma, tem sido possível executar uma reconstrução e restauro altamente respeitadores do ambiente, tirando partido da reutilização dos materiais e da total economia de obra, em detrimento de novas matérias e materiais industriais e artificiais.